Monovarietais da Caminhos Cruzados são destaque no Concurso Vinhos de Portugal

A nova gama de vinhos com a chancela da Caminhos Cruzados tem uma referência: é composta por monovarietais, brancos, tintos e rosés e que já está a cativar a comunidade enófila. “É o resultado de anos de amadurecimento e da relação de grande proximidade com a nossa terra, as nossas castas e a nossa identidade. Saber quem somos, de onde vimos e onde queremos chegar é um dos maiores desafios que enfrentamos, e foi nesta gama que encontrámos a resposta”, revela a Lígia Santos, diretora-geral da empresa.

Na última edição do Concurso Vinhos de Portugal, a Caminhos Cruzados conquistou um prémio Grande Ouro com o rótulo ‘Caminhos Cruzados Reserva Encruzado 2019’ (com preço de venda ao público de 25 euros). Este vinho estagiou em barricas de carvalho francês e apresenta grande frescura e mineralidade a que se alia uma enorme capacidade de evolução positiva em garrafa. “Neste vinho encontra-se o nosso Dão, numa casta típica que criou raízes na região e que tão característica é no perfil dos nossos vinhos”, acrescenta Lígia Santos.

Duas outras medalhas de ouro foram atribuídas a este produtor, premiando os rótulos ‘Caminhos Cruzados Reserva Branco 2017’ e o ‘Caminhos Cruzados Reserva Tinto 2017’ (ambos com PVP de 18,50 euros).

Feitos a partir das vinhas da Quinta da Teixuga e das castas típicas da região do Dão, têm um longo estágio em barricas de carvalho francês novas e usadas, com vista a uma perfeita integração da barrica com o vinho. De acordo com este produtor, nestes vinhos podem ser encontradas, para além do óbvio, novas vertentes das castas. Trata-se de vinhos de grande estrutura, complexidade de aromas e capacidade de envelhecimento. Os néctares agora distinguidos com as medalhas de Grande Ouro e Ouro terão presença garantida em eventos internacionais de excelência, a realizar ainda este ano.

Resta referir que o Concurso Vinhos de Portugal é uma iniciativa da ViniPortugal e pretende distinguir a diversidade e excelência dos vinhos produzidos em território nacional. Trata-se de uma iniciativa que “cada vez mais se vem afirmando de referência para o setor, que aposta na qualidade dos vinhos nacionais e promove uma troca de experiências entre produtores e especialistas internacionais, sempre muito curiosos por conhecer a realidade vitivinícola nacional”, refere Frederico Falcão, presidente da ViniPortugal.

Com propriedades que ascendem a 45 hectares de vinha, a Caminhos Cruzados, que integra o grupo Terras & Terroir, produz vinhos brancos, tintos, rosés e reservas inspirados pelo que se convencionou chamar o novo Dão. Sediado em Nelas, este produtor comercializa as marcas Titular, Teixuga, Caminhos Cruzados e Clandestino, possuindo uma adega de design arrojado, cuja traça arquitetónica remete para o nome de batismo da empresa. Ali é possível fazer provas e conhecer tudo sobre o mundo do vinho e da vinha.

Partilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin