Características imprescindíveis do líder do século 21 | Opinião – *Adecco Portugal

A natureza do local de trabalho mudou na última década e a pandemia acelerou tendências que se vinham a desenhar no mercado de trabalho com as restrições de confinamento que obrigaram ao teletrabalho em diversos setores de atividade. As empresas são cada vez mais globais nas suas perspetivas e os empregados são mais diversificados do que nunca. A comunicação e os processos internos são mais colaborativos e menos hierárquicos. Mas como é que o patrão do século 21 precisa de ser bem-sucedido?

Num mundo movido pela tecnologia, parece haver um número crescente de distrações para o moderno gestor. Tal requer maior consciência, criatividade e competências sólidas de gestão de tempo para manter continuamente a produtividade e eficiência do gestor e da sua equipa.

Com mudanças dramáticas na tecnologia e no comportamento tanto na nossa vida pessoal como profissional, o local de trabalho nunca mais voltará a ser o mesmo. Isto significa que, embora um gestor possa ter tido sucesso no passado, não há garantias de que continuará a ter sucesso no futuro, contando com as mesmas ferramentas, processos e competências. Segundo os peritos, os gestores do século 21 devem possuir algumas qualidades essenciais para ajudar as suas organizações a evoluir e garantir que estão bem posicionados para serem bem-sucedidos no futuro.

CARACTERÍSTICAS DO LÍDER DO SÉCULO 21

  1. LIDERAR PELO EXEMPLO

O atual gestor é altamente eficaz, faz mais do que apenas supervisionar o fluxo de trabalho ou aprovar projetos.

No local de trabalho do futuro, os gestores lideram pelo exemplo e são totalmente colaborativos, exibindo o empenho e as qualidades de liderança necessárias. Devem estar no terreno, utilizando as mesmas ferramentas que o resto da equipa. Subsequentemente, os funcionários estarão mais dispostos a mudar e evoluir quando virem os seus gestores a liderar pelo exemplo.

  1. COMPREENDER A TECNOLOGIA

Não se deve confundir esta competência com conhecimentos técnicos: a compreensão da tecnologia vai além de possuir competências básicas de Tecnologias de Informação (TI). Os gestores eficazes compreendem toda a gama de tecnologia, particularmente no que diz respeito ao seu negócio e nicho industrial, estando plenamente conscientes do seu impacto em ambos.

Esta competência significa que compreenderão as personalidades dos consumidores, as suas interações em linha, bem como a experiência e as expetativas dos seus produtos ou serviços. O gestor do século 21 saberá como utilizar a tecnologia relevante para fornecer soluções de sucesso. Os gestores com uma boa compreensão da tecnologia moderna serão sempre capazes de se adaptar e evoluir, alcançando uma forte reputação digital para a marca da empresa, a fim de se manterem à frente da concorrência.

As inovações ao nível da TI estão constantemente a ser lançadas para tornar os gestores mais eficazes e produtivos, facilitando enormemente o trabalho, fluxo de informação relevante e respetivo tratamento para apoiar decisões. Estar demasiado preso a todas as ferramentas de trabalho que facilitam as decisões pode atrapalhar a sua relação com a equipa. Atenção à componente humana que é essencial numa liderança bem-sucedida.

  1. TER CONSCIÊNCIA CULTURAL GLOBAL E A CAPACIDADE DE ADVOGAR ENTRE CULTURAS

O gestor altamente eficaz do século 21 é aquele que acrescentou uma nova competência-chave ao seu conjunto de competências base: a mudança de código cultural. Isto significa modificar o seu comportamento de acordo com circunstâncias específicas para melhor se adaptarem a diferentes normas culturais.

Um gestor precisa de ter a informação, motivação e mentalidade certas. Além disso, requer a capacidade de gerir desafios psicológicos quando um colaborador ou cliente tenta traduzir os seus conhecimentos culturais em ação.

A capacidade de troca de códigos pode parecer desafiante e até confusa para muitos gestores atuais; afinal de contas, adaptar o seu comportamento às necessidades da equipa não é fácil. Contudo, dada a diversidade cultural das equipas e a variedade dos grupos de consumidores, fator tendencialmente crescente por via da globalização, um nível justo de capacidade de troca de códigos é o mínimo que deve ser exigido a um gestor. Caso contrário, correm o risco de serem rotulados como verdadeiramente incompetentes quando as expetativas de um funcionário ou cliente entram em conflito com os seus próprios valores e crenças arraigadas.

O gestor do século 21 precisa de compreender e apreciar a diversidade cultural no local de trabalho e no mundo empresarial em geral. Têm frequentemente experiência internacional e inteligência cultural específica.

  1. DOMINAR O MULTITASK

Pode ter lido sobre os riscos do trabalho multitarefa, mas será que se pode aplicar ao mercado de trabalho atual, onde a própria natureza do trabalho e a tecnologia moderna significam que a distração temporária é inevitável?

Com vários e-mails, chamadas, textos, reuniões, clientes e funcionários para lidar diariamente, o chefe do século 21 aprendeu simplesmente a fluir com a mudança, seja sentado no escritório ou remotamente. Em vez de lutarem contra as distrações, eles simplesmente aceitam-nas, adaptam-se e prosperam.

  1. COMUNICAR EFICAZMENTE

Os líderes eficazes são bons comunicadores. Asseguram-se de que cada informação é correta, precisa e transmitida com sucesso ao destinatário pretendido. Não deixam margem para ambiguidades ou suposições. Portanto, quando um líder eficaz fala, todos ouvem, porque o público sabe que a informação será de algum valor para eles.

Contudo, uma comunicação eficaz não é simplesmente colocar as palavras no papel ou falar sem problemas, usando uma gramática perfeita. Trata-se também de poder transmitir informação de uma forma que motive as pessoas a fazer o trabalho voluntariamente, de acordo com as instruções dadas.

Como regra, é menos provável que os funcionários trabalhem com um líder que exija e ordene, em vez de motivar e inspirar. A comunicação eficaz é uma competência-chave que todos os líderes empresariais modernos devem desenvolver e aperfeiçoar. Mesmo que pense que não é o seu ponto forte, pode começar com a formação e melhorar através da experiência.

Para concluir, encorajamo-lo a parar por um momento e refletir sobre o potencial de ser um líder empresarial com estas novas e importantes competências. Imagine um líder que admira que tenha todas ou um bom número destas competências. Perceba que se encontra na fase de desenvolvimento e tome nota do que precisa fazer para chegar ao nível seguinte. É claro que estar disposto a aprender e a crescer é a chave para se tornar um chefe de sucesso do século 21.

Partilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin