Aveiro, Guarda e Viseu no ‘Eixo Cultural A25’

Os Municípios de Aveiro, Guarda e Viseu uniram-se e apresentam um novo projecto cultural: “Eixo Cultural A25 – Rede de Criação e Programação”. Este projecto inclui Concertos Improváveis, Residências Emergentes e Instalações de Luz no Património. Um eixo que percorre todos os formatos culturais e que abraça de forma democrática as três grandes cidades da zona Centro.

Por isso, este eixo parte sempre com destino certo por 3 vias que transportam conteúdo cultural a palcos diferentes. Para lá e para cá, de uma ponta a outra do país, a cultura nunca fica parada. Avança pela A25.

As iniciativas integradas no “Eixo Cultural A25” serão realizadas, maioritariamente, ao ar livre, em espaços públicos com interesse cultural e turístico, designadamente centros históricos, recintos de monumentos, parques e jardins históricos, entre outros lugares de interesse patrimonial (cultural e natural), garantindo todas as condições de acessibilidade e de segurança sanitária aos diferentes públicos, obtendo partido dos investimentos de regeneração urbana realizados no território e contrariando a tendência de abandono dos centros históricos através do aumento do número de visitantes a sítios de património cultural e natural.

Os lugares onde estas ações irão decorrer são ícones patrimoniais e da arquitetura contemporânea, lugares e espaços com classificação patrimonial atribuída com localizações privilegiadas no contexto do interesse cultural e turístico de públicos regionais, nacionais e internacionais.

Por fim, considerando a área, lotação e capacidade máxima de cada espaço, está a ser desenvolvido para cada uma das iniciativas um plano de produção detalhado, o qual será articulado com as entidades competentes (proteção civil e autoridade de saúde local), assegurando o cumprimento cabal das regras de saúde pública que estiverem em vigor no momento das ações.

PROGRAMA

O programa contempla três ações cujas iniciativas têm expressão em todos os municípios promotores, assumindo uma lógica efetiva de trabalho em rede, no âmbito da qual se partilham processos de criação artística, de apresentações em itinerância, e projectos que agregam participantes provenientes de todos os municípios parceiros.

CONCERTOS

Esta ação contempla a criação de dois programas orquestrais originais, criados especificamente para o “Eixo Cultural A25” pelas duas formações sinfónicas profissionais mais relevantes da Região Centro: A Orquestra Filarmonia das Beiras (sediada em Aveiro) e a Orquestra Filarmónica Portuguesa (cuja Orquestra Académica tem sede na Guarda).

São duas orquestras formadas, na sua grande maioria, por jovens músicos das suas respetivas regiões e que, desta forma, veem alargado o seu horizonte de trabalho profissional, num período especialmente exigente para a comunidade artística.

Estas duas criações originais integram colaborações com dois artistas de outras áreas musicais e com reputação nacional e internacional: António Zambujo e Cuca Roseta.

Numa abordagem de conjugação de estilos, influências e repertórios, esta ação propõe a cocriação da Orquestra Filarmonia das Beiras com António Zambujo e da Orquestra Filarmónica Portuguesa com Cuca Roseta, resultando num plano de apresentações que integra dois espetáculos em estreia absoluta, cada um com uma itinerância pelos três municípios, num total de seis concertos.

Para além da oferta de um programa artístico original de excelência, pretende-se promover a democratização do acesso à música orquestral, potenciando a familiaridade e interesse junto de públicos nacionais e transfronteiriços, em particular junto de famílias.

Orquestra Filarmonia das Beiras com António Zambujo

Aveiro: 29 julho (Praça Marquês de Pombal)

Guarda: 12 setembro (Exterior da Sé)

Viseu: 20 setembro (Adro da Sé)

Orquestra Filarmónica Portuguesa com Cuca Roseta

Viseu: 18 setembro (Adro da Sé)

Guarda: 19 setembro (Exterior da Sé)

Aveiro: 27 outubro (Teatro Aveirense)

RESIDÊNCIAS EMERGENTES

Através desta ação propõe-se um projeto de cocriação musical a partir de um conjunto de residências direcionadas a bandas / artistas / coletivos emergentes no território, nas áreas da música pop, rock, hiphop, e outras, envolvendo também a participação de produtores / associações culturais locais na sua coordenação e implementação, sendo dirigida a um público jovem e urbano.

Com o objetivo de realizar e produzir residências artísticas de criação musical em Guarda, Viseu e Aveiro, foram selecionadas duas bandas/artistas de cada concelho, sendo que uma será a anfitriã e a outra será a visitante. Serão três as residências artísticas a realizar:

Himalion (Aveiro) + Bang Avenue (Viseu) – Entre os dias 26 de Julho e 07 de Agosto, a residência irá ocorrer no Estaleiro Teatral e a apresentação pública no dia 08 de Agosto na escadaria do edifício Atlas Aveiro.

César Prata (Guarda) + Le Bruit (Aveiro) – Entre os dias 27 de Agosto e 10 de Setembro, a residência irá ocorrer na Associação Cultural e Recreativa de Vila Mendo e a apresentação pública a 11 de setembro na Praça Velha, na Guarda.

Smoke Hills (Viseu) + Rogério Peixinho (Guarda) – Entre os dias 6 de setembro e 15 de Setembro, a residência irá ocorrer no Carmo´81 e a apresentação pública no dia 16 de Setembro na Fonte das 3 Bicas em Viseu.

Alem das residências artísticas, será realizada a gravação de um vídeo de cada uma das criações em que se documenta o processo de criação. Será também acompanhado por fotorreportagem e gravação áudio do resultado final em multipistas e posteriormente editada e masterizada, para que os artistas tenham ferramentas de continuidade do projeto.

Em residência artística cada grupo criará um máximo de nove temas originais, dando lugar a um novo projeto musical com assinatura de duas cidades diferentes. Ao ultrapassar as barreiras da distância proporcionam-se condições perfeitas para a partilha de conhecimentos, experiências e perspetivas de futuro numa rede de criação conjunta não só de música, mas também de fotografia, vídeo e sound design.

INSTALAÇÕES

A 24 e 25 de setembro os centros históricos de Aveiro, Guarda e Viseu iluminam-se. A luz é o recurso central nesta proposta imersiva, que conjuga a arte contemporânea e os lugares de maior relevância patrimonial das cidades do “Eixo Cultural A25”.

A decorrer em simultâneo com as Jornadas Europeias do Património 2021, esta ação promove a criação de três intervenções artísticas originais de grande escala e utilizando a luz como recurso central, em registo site specific, tendo como objetivo a valorização de lugares de relevância patrimonial no contexto dos municípios promotores, através de uma abordagem artística inovadora, que relaciona o património com a arte contemporânea, resultando na animação dos elementos patrimoniais em que intervêm e a promoção dos mesmos, e das respetivas cidades, no panorama turístico e cultural.

Estas intervenções urbanas serão desenvolvidas através de processos colaborativos em formato de residência artística, de forma a promover a valorização do património material e imaterial local, proporcionando novos percursos de interpretação de símbolos comunitários e identitários destas cidades, na medida em que se assume a reflexão sobre as arquiteturas físicas das cidades, não só dos edifícios ou monumentos e espaços físicos, mas da apropriação que se promove dos mesmos, quotidianamente, pelas vivências das suas comunidades residentes.

Acresce a intenção de promover processos sustentáveis, quer em termos energéticos, quer nos materiais a utilizar nas instalações. A ação irá realizar-se em simultâneo, funcionando como uma proposta de “percurso” artístico-cultural pelas três cidades, estimulando novas formas de as visitar e descobrir.

Partilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin