Flexi boomers: a geração do Onboarding Digital

onboarding digital

Tradicionalmente, a maioria dos profissionais iniciava o seu primeiro dia de trabalho com uma visita ao escritório, uma reunião com os seus representantes de Recursos Humanos (Rh), algum tipo de reunião e saudação com os seus novos colegas, talvez até um almoço rápido com o seu líder de equipa. Trabalhar num escritório físico tem os seus benefícios, particularmente para os trabalhadores mais jovens ou para os novos colaboradores de uma empresa, que rapidamente adquirem novas competências relacionadas com negociação, gestão do tempo, comunicação, profissionalismo, cultura empresarial e muito mais. Mas como se processa esta fase com o onboarding digital?

Joana Monteiro, integrou o estágio como Técnica de Recursos Humanos na Adecco Portugal, a 15 de março, em pleno confinamento, relata a sua experiência: “Foi realizado todo um processo excelente que se iniciou via online com onboarding e formação à distância via Teams, sendo que depois também tivemos a oportunidade de nos juntarmos aos nossos colegas pessoalmente, continuando esses mesmos processos. Ambas as formas facilitaram e ajudaram imenso na integração e confiança em nós mesmos para iniciarmos as funções.” Face às expetativas que tinha, que em período normal, seria nos escritórios da Adecco Portugal, o onboarding digital surpreendeu pela positiva: “Posso confirmar que já tinha tido outras experiências, também como estagiária, mas em regime presencial, e neste caso a Adecco é que me proporcionou a melhor experiência até hoje, em acompanhamento, desafio e comprometimento.”

Tal se tenha devido ao compromisso do Departamento de Rh da Adecco, cujo desafio foi “tentar que os estagiários se sentissem integrados e bem acolhidos como sei que seriam presencialmente.” Para Carolina Santos, Bussiness Partner do Departamento, tal obrigou ao desenvolvimento e estruturação de um novo plano de onboarding que permitiu a entrada, em simultâneo de 19 estagiários em todo o país. Foi desta ‘leva’ de estagiários que Joana Monteiro fez parte.

LEIA TAMBÉM: Trabalho remoto: um terço dos colaboradores não tem a tecnologia necessária para trabalhar

Com a necessidade de que os estagiários pudessem desenvolver relações de trabalho saudáveis sem prejudicar as aprendizagens em ambiente digital, a equipa da Rh “reforçou o acompanhamento quer do próprio departamento de Rh quer por parte dos responsáveis e equipa, pois muitos deste jovens estão a ter a primeira experiência no mercado de trabalho é essencial o acompanhamento mais do que nunca”, conta Carolina Santos, que lamenta que este trabalho tenha sido feito sem qualquer contacto presencial inicial, colmatado com mais reuniões online para aferir necessidades e garantir que expetativas estavam alinhadas com a cultura da Adecco Portugal.

A Responsável salvaguarda, contudo, que o ambiente de trabalho virtual tem os seus trunfos: “O facto de se conseguir acompanhar todos os estágios a nível nacional da mesma forma (online) e poder alcançar de forma rápida todo o ecossistema da Adecco Portugal em tempo real, independentemente das geografias, é de facto algo que não estávamos habituados e sem dúvida interessante. No fundo, todas as empresas que se adaptaram tiveram de criar estes mecanismos para trabalhar com aquilo que podiam no momento e, se antes, uma pessoa teria que fazer 300 km para um processo de integração, esse trabalho está deveras facilitado. Há que realçar também que as empresas que foram bem-sucedidas neste onboarding digital, também dão informação aos novos colaboradores sobre que tipo de empresas são, se se conseguiram adaptar e fazer o melhor que sabiam e podiam ou se foi uma empresa que parou no tempo. E este aspeto é muito relevante no que toca à retenção dos talentos das empresas. Um estagiário que quer construir uma carreira profissional interessante dificilmente opta por ficar numa empresa que está desajustada das exigências do mercado atual.”

“O trabalho a partir de casa tem proporcionado uma integração diferente, mas não menor, na empresa”, diz ainda Carolina Santos. “A ligação com colegas através de equipas, individualmente ou durante reuniões de grupo, permite também conhecê-los e passar a cultura da empresa de formas excecionalmente benéficas”. Há pontos positivos em passar tempo com os colegas no seu ambiente de trabalho, tanto para desenvolver relações como para obter uma perspetiva mais completa das operações e oportunidades de parceria“, mas tudo indica, com a evolução positiva das questões sanitárias, que todos se possam conhecer pessoalmente dentro de pouco tempo.

Flexibilidade, a mais-valia dos que iniciaram o 1º emprego em ambiente digital

Neste regresso ao escritório que se adivinha para breve, todos os estagiários que passaram por um onboarding digital vão ter, provavelmente, uma curva de aprendizagem íngreme. Quando a flexibilidade (de horários e de alocação entre trabalho à distância e presencial) é o conceito mais marcante que emergiu no mundo do trabalho durante a pandemia, “aqueles iniciam as suas carreiras nesta nova dinâmica estão a obter o melhor de dois mundos, bem como o benefício de escolher o que funciona melhor para eles e a forma como trabalham melhor: também têm a flexibilidade de abraçar um mundo de trabalho único e flexível”, avalia Carolina Santos. “Terão a capacidade de trabalhar à distância com a opção de construir carreiras que não sejam condicionadas pelo local onde vivem. Mas também terão a flexibilidade de trabalhar a partir de um escritório, se esse for o ambiente ideal para eles. Eu diria que esta é uma nova geração, que vai ficar profundamente marcada e provavelmente mais ajustada ao que será o mundo trabalho do futuro, que será marcado pela Flexibilidade. Teremos aqui uma nova geração, os Flexi boomers?”.

Vale a pena conhecer a resposta de Joana Monteiro à questão “Sente que está a beneficiar tanto do estágio como se fosse em formato presencial? “Sim, admito que até gosto bastante do modelo em que nos encontramos de momento – modelo este híbrido com dias em casa e dias no escritório. Sinto que temos todo o acompanhamento e à vontade com as equipas seja de que forma for, e trabalhamos todos bem em sintonia, havendo apoio dos líderes de equipa e uma grande entreajuda entre colegas. Sinto rendimento no meu trabalho em ambas as formas, física ou online.”

LEIA TAMBÉM: Futuro do trabalho: híbrido, mais tecnológico, responsável e a reter talento

5 Dicas para um onboarding digital bem-sucedido

#1 Considerar a criação de uma orientação mais estruturada e específica sobre onboarding digital: na Adecco Portugal, criámos um documento para que todos os que integrassem a organização a partir de 1 de Julho de 2020 tivessem uma boa compreensão de quem somos, dos nossos valores, da nossa estratégia, das nossas equipas de liderança, e muito mais. Ajuda a proporcionar ao novo colaborador esse sentimento de pertença a algo enquanto está num espaço virtual.

#2 Seja claro quanto a objetivos e resultados: um plano de 30, 60, e 90 dias é uma ótima forma de estabelecer expetativas. Comece as primeiras semanas com tarefas claras.

#3 Reuniões individuais: especialmente quando se trabalha remotamente, estabelecer pontos de contacto frequentes um-para-um e de equipa. Isto ajudará a garantir fluxos de comunicação, os desafios são assinalados, e o bem-estar da equipa é verificado.

#4 Salas informais de convívio: Criar um sistema onde se possa ligar um novo colaborador a um amigo que os possa apoiar com todas as questões que possam ter em torno da navegação num novo ambiente. Na Adecco Portugal  abrimos salas de convívio (do café, do sumo de laranja, etc., onde o objetivo é que durante 15/20 minutos todos os colaboradores da empresa pudessem aceder para um espaço informal e que pudessem ter esse ambiente, tal como tinham no escritório em regime presencial).#4 Documentos FAQ: os documentos de FAQ (Frequently Asked Questions) podem ajudar os novos membros da equipa a compreender como utilizar as ferramentas virtuais que os rodeiam. Por exemplo: apoio de equipas, análise da Microsoft para gerir o seu tempo, utilizando o chat versus e-mails para apoiar com colaboração e conectividade contínuas, e muito mais. Além disso, links para orientação de segurança informática e outros recursos também podem ajudar

Inês Maia e Silva | 967 521 865 | [email protected]

Partilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin