Profissionais de RH: Estudo Sage afirma que 81% estão em burn-out

profissionais de rh

Num novo estudo global, a Sage, líder de mercado em tecnologia de contabilidade, finanças, RH e payroll para PME, revela dados relevantes sobre a função de Recursos Humanos nas empresas. Por exemplo, 81% dos profissionais de RH está em burn-out e 62% considera até deixar o setor.

A investigação demonstra a enorme escala do desafio que as equipas de RH enfrentam para convencer as organizações do poder da moderna função “People” (Pessoas). De facto, 92% dos executivos C-level acredita que o valor percebido dos RH é um desafio para a área.

Assim, este pode ser um momento crucial para o setor de RH se reformular – 73% dos líderes de RH e 85% dos executivos C-level afirmam que o termo “Recursos Humanos” está desatualizado. Para além disso, 91% dos líderes de RH diz que o campo de ação das suas funções mudou drasticamente nos últimos anos – e 96% dos C-level concorda.

Contudo, se para 86% dos líderes de RH o setor está a adaptar-se para se tornar mais rápido e ágil, a maioria dos executivos de topo (63%) ainda vê o papel dos RH como administrativo – e menos de metade (39%) dos líderes de RH acredita que os colaboradores entendem o que estes profissionais fazem.

O estudo revela ainda que muitos líderes empresariais não esperam que os RH desempenhem um papel de liderança em áreas-chave que tradicionalmente estariam no seu escopo de trabalho, como o planeamento das equipas e da cultura da empresa.

Os líderes de RH são muitas vezes os heróis desconhecidos de uma organização, mas nos últimos anos têm demonstrado, mais do que nunca, a sua influência, visibilidade, agilidade e impacto,” comenta Amanda Cusdin, Chief People Officer da Sage. “Considerando a escassez aguda de talento e os fenómenos da ‘grande demissão’ e do ‘quiet quitting’ que muitas organizações enfrentam, os seus líderes precisam de dar prioridade ao investimento em tecnologia e aumentar as qualificações das equipas de RH. O setor tem de adotar tecnologia que liberte os profissionais de RH das tarefas administrativas e os capacite para se focarem mais na estratégia, ajudando as empresas e os colaboradores a atingirem as suas metas de crescimento e desenvolvimento.”

O futuro dos profissionais de RH

Enquanto 91% dos líderes de RH diz estar entusiasmado com o futuro da profissão, 83% concorda que não ter a tecnologia de RH certa é um desafio para o futuro. Efetivamente, neste momento apenas 59% das organizações recorre a analítica de pessoas e a sistemas de RH na Cloud, e apenas 54% possui alguma forma de automação de RH.

De facto, para 92% dos líderes da área, a quantidade de trabalho é uma barreira para o sucesso futuro – e, assim sendo, a tecnologia é a chave para gerir este desafio. Automatizando as tarefas administrativas, as equipas de RH podem dedicar mais tempo à estratégia, e o self-service permite que os colaboradores tenham controlo sobre os seus dados, poupando trabalho manual aos RH.

Os líderes de RH escolhem essa profissão porque querem fazer a diferença. Infelizmente, muitas vezes a burocracia e as tarefas administrativas dificultam-no; assim, não é de surpreender que se sintam mais exasperados do que nunca,” afirma Helen Armstrong, CEO e Founder da Silvercloud HR. “Graças à automação, análise, self-service e muito mais, os gestores de pessoas têm uma oportunidade maior do que nunca de finalmente trocar as folhas de cálculo pela estratégia e redescobrir por que se dedicaram à área para começar: para fazer a diferença.”

Questionados sobre quais vão ser os principais desafios para os RH no próximo ano, os líderes de RH preveem que serão os orçamentos limitados (90%), a falta de recursos (89%) e a falta de apoio da equipa de liderança (83%) – para além da carga de trabalho.

Destacaram ainda alguns fatores que consideram importantes para a profissão ser bem-sucedida: o aumento das capacidades de RH (42%), mais know-how tecnológico (40%) e um maior investimento em especialidades (37%) – por exemplo, profissionais de RH especialistas em Diversidade & Inclusão.

Finalmente, no que concerne as principais prioridades de RH em 2023, os líderes de RH e os executivos C-level concordam que a gestão de talento deve estar no topo da lista. Igualdade, inclusão e diversidade e a saúde e bem-estar dos colaboradores também figuram em destaque para os líderes de RH; enquanto os executivos C-level acreditam que os RH devem focar-se mais no crescimento financeiro, na eficiência e na produtividade.

Metodologia:

O estudo ‘The changing face of HR in 2024′ da Sage incluiu 1.022 respostas de líderes seniores de RH (666) e executivos de alto nível (356 CEOs, CFOs e CTOs) na África do Sul, Alemanha, Canadá, Espanha, EUA e Reino Unido, em pequenas (522) e médias (500) empresas. O inquérito foi conduzido pela Edelman em nome da Sage. Os resultados foram complementados com entrevistas a seis líderes seniores de RH e empresariais.

Para mais informações contactar:

TEAM LEWIS

Inês Barbosa // Account Director

[email protected]

Partilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin