RE/MAX registra crescimento no mercado português

A RE/MAX, imobiliária norte-americana a operar em Portugal, fechou o penúltimo trimestre do ano com um volume de negócios de cerca de 1,72 mil milhões de euros, relativos a 20.471 transações. A empresa culmina este período com aumentos em todos os indicadores face ao período homólogo, registando um crescimento de 39,5% em volume de negócios e de 18,7% no número de transações, o que faz deste o melhor trimestre de sempre da rede, em consonância com o atual cenário de recuperação do mercado. A RE/MAX transacionou até final de setembro 92% do total de imóveis do ano anterior.

Tal como em ciclos anteriores, foram os portugueses quem mais adquiriram ou arrendaram a casa, 81,2%. Entre os investidores estrangeiros, os brasileiros reforçaram a segunda posição daqueles que mais negoceiam em imobiliário – entre julho e setembro, as transações com cidadãos do país-irmão representaram 5,8%, a que se seguiram franceses (1,3%) e norte-americanos (1,1%). Destaque para esta última nacionalidade, que subiu várias posições face aos trimestres homólogos dos dois últimos anos.

“Este terceiro trimestre do ano é revelador do dinamismo e robustez da marca RE/MAX. Num ano pautado por alguma incerteza e por uma retoma gradual das várias atividades económicas, a rede regista o seu melhor trimestre de sempre, tanto em número de transações, como em volume de negócios.” refere Beatriz Rubio, CEO da RE/MAX.

A responsável acrescenta ainda que “o mês de setembro representa também as nossas perspetivas para o último trimestre do ano. Além de ter sido o melhor mês do ano, antecipa ainda o que poderão ser os resultados nos últimos três meses, que acreditamos sejam de incrementos. Se o mercado imobiliário, mesmo neste período de crise pandémica, revelou-se forte e resiliente, então num contexto de crescimento e algum otimismo, avançado pelos diversos organismos nacionais e internacionais, primará por uma evolução favorável, que se irá refletir no reforço da atividade, desenvolvimento e expansão.”

MELHOR TRIMESTRE

Os meses de julho a setembro ficam também marcados pelas transações mediadas pela RE/MAX, que registou uma linha de crescimento, aproximadamente 24% face ao primeiro trimestre do ano e 1,8% em relação ao segundo trimestre. Numa comparação com o trimestre homólogo, há também uma evolução favorável, com um incremento de 18,7%, fazendo deste o melhor trimestre de sempre que a rede registou nos seus 21 anos de operação no mercado nacional.

Numa análise por distrito e no que se refere ao peso nas transações da rede, de julho a setembro, Lisboa lidera o top 5 (38,5%), seguida pelo Porto (13,1%) e Setúbal (10,4%). Fecham o ranking os distritos de Braga (5,9%) e de Faro (4,3%).

No que concerne ao número de transações negociadas por concelho neste penúltimo trimestre do ano, Lisboa lidera o top 10 com 2.623 transações, 12,8% do total registado pela RE/MAX. Seguem-se Sintra (6%), Oeiras e Cascais (3,4% cada), Almada (2,7%), Amadora (2,6%), Loures (2,4%) e Braga (2,3%). Em 7ª e 8ª posições, respetivamente, estão os concelhos do Porto (2,5%) e de Vila Nova de Gaia (2,4%), pertencentes à Área Metropolitana de Porto.

Os apartamentos e as moradias são os dois tipos de propriedade que a rede RE/MAX mais comercializou entre 1 de julho e 30 de setembro, representando 57,2% e 26,3% do total, respetivamente. As tipologias mais procuradas nos apartamentos vendidos foram os T2 (45%), seguindo-se os T3 (34,4%), os T1 (14,4%) e outras tipologias (6,2%). Cerca de 8,8% dos imóveis negociados neste período são terrenos, 2% são lojas, 1,3% quintas e 4,4% outros tipos de imóveis.

ALARGAMENTO

Outro dado a salientar é o crescimento da RE/MAX não se ter dado apenas na atividade reportada, mas ter ocorrido simultaneamente no número de profissionais e na estrutura organizativa. O  capital humano da RE/MAX tem vindo a ser reforçado todos os meses, com a integração de novos profissionais e uma otimização dos métodos e ferramentas de trabalho.

No culminar do terceiro trimestre do ano passado, a rede RE/MAX tinha 356 agências e 9.394 consultores. A rede imobiliária viu o número de agências registar um aumento face a igual período de 2020 (5,3%), passando agora a contabilizar 375 agências. No que concerne ao número de agentes, o crescimento foi de 3,7%, tendo a imobiliária líder de mercado recrutado mais de 348 consultores em apenas três meses deste ano, registando no final de setembro 9.742 profissionais.

Partilhe:

Compartilhar no facebook
Compartilhar no twitter
Compartilhar no whatsapp
Compartilhar no linkedin